Esta fotografia é uma metáfora visual. Simboliza o núcleo de Vida, entendendo-a como a Natureza, as Gentes e as suas Culturas, rodeados pela adversidade.

É um sinal e um clamor em memória dos povos da Peneda e do Gerês.



quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Reunião em Vilar da Veiga

No dia 10NON08, em Vilar da Veiga, o Sr. Presidente da Câmara Municipal de Terras de Bouro promoveu uma reunião com o objectivo de colher opiniões sobre o projecto de POPNPG. Muito gostaríamos de obter aqui as Vossas ideias.

5 comentários:

  1. No dia 16NOV08, pelas 20h30, vai realizar-se uma reunião em Campo do Gerês, nela participando representantes de Juntas de Freguesia, Comissões de Baldios e Vezeiras.

    ResponderExcluir
  2. Antes de mais, queria felicitar os autores deste Blog pelo empenho que têm demonstrado em todo este processo que tanto nos preocupa.
    De seguida, gostaria de partilhar a opinião de que, devido a toda esta questão da revisão do POPNPG, uma das coisas que me parece mais positiva, é claramente a mobilização de todas as populações locais, coisa que antes, não acontecia.

    É importante que a Direcção do PNPG perceba, rapidamente, que as populações estão unidas e vão defender, intransigentemente, os seus direitos.

    Este fim de semana vou propor a criação de uma Comissão de Acompanhamento em Vilar da Veiga, e quem sabe possamos posteriormente congregar esforços e delinear as melhores estratégias para termos sucesso nesta nossa missão.

    Cumprimentos a todos e bom trabalho.

    ResponderExcluir
  3. Amigos esta é uma luta de todos, já imaginaram só "ter que pagar uma taxa" para passear pela serra. Este é só um exemplo... Quem conhece o território do PNPG sabe que se tem degrado a um ritmo alucinante e que infelizmente nenhuma direcção conseguiu demonstrar aos "senhores de Lisboa" que este é um sitio de interesse (pelo menos) nacional que precisa de um orçamento generoso para que se possa conservar e valorizar este espaço único. É também hora de reivindicarmos uma forma de gestão diferente, que dê assento a quem realmente possa definir uma estratégia que compatibilize valores ambientais, modos de vida de quem habita este espaço e uma procura turística crescente.
    O Plano de Ordenamento de 1995 é um plano "estranho", este que agora nos tentaram impôr, espelho do estado de espirito de "técnicos hibridos" é demasiado mau, sobretudo para o "nosso ambiente", tão habituado à intervenão humana.
    Estaremos unidos! Estamos do lado certo... e o ambiente agradece

    ResponderExcluir
  4. Da Direcção do PNPG recebemos a seguinte comunicação:

    "Em resposta aos recentes posts no blog pnpgcomgente, a Direcção do PNPG reitera a vontade de encontrar uma proposta de plano que não só viabilize a manutenção das actividades tradicionais (em particular a pastorícia), como reforce as condições para a melhoria da qualidade de vida das populações. Estamos disponíveis para aferir os limites da Zona de Protecção Total por forma minimizar a afectação de zonas de pastorícia, e já o estamos a fazer na sequências das reuniões tidas em S. João do Campo e Vilar da Veiga. Iremos solicitar nova reunião com as vezeiras de Terras de Bouro, bem como os baldios de Montalegre e de Ponte da Barca no sentido de continuar este trabalho. Lembramos ainda que dos 70 000 ha do PNPG, as zonas de protecção total e de restrição à pastorícia não excedem os 6 000ha (menos de 10% da área do PNPG).
    A ideia de passar a emitir licenças para os trilhos em área de ambiente natural justifica-se pela necessidade de regular o número de pessoas nas zonas mais sensíveis. Actualmente a possibilidade de visitar essas zonas é bastante limitada à luz do Plano em vigor. Este Plano abre mais possibilidades de usufruto da área (incluindo a possibilidade de pernoita), mas mediante licenças a serem levantadas nas Portas dos Parques. Este modelo existe em Parques Nacionais doutros países há muito tempo e com bastante sucesso."

    ResponderExcluir
  5. Ás populações da Serra do Gerês

    Fiquei sensibilizado com as palavras do Filipe Mota e na minha modesta opinião , não permitiremos que as populações percam mais uma vez os direitos adquiridos, de centenas de anos.
    Em relação a pastorícia deveríamos sim reforça-lá ainda mais, isto porque a montanha suporta muitas dezenas de cabeças de gado.
    Havendo gado , a montanha estará mais limpa o que origina menos fogos florestais.
    Havendo gado as populações estarão mais ricas , vivem melhor, o que é bom para os tempos que se avizinham porque infelizmente serão difíceis.
    Havendo gado os caminhos da serra estarão mais limpos e desimpedidos.
    Lançava daqui um repto as populações da Serra do Gerês, aqueles que poderem comprar uma ou mais cabeças de gado para o fazerem, para não deixar cair as nossa origens, pois eu sou descendente de pessoas que viviam da pastorícia e da agricultura nesta serra.
    Esta luta ganhou mais um aderente, o que significa que quanto mais alto chegarmos, mais longe se ouve a nossa voz.
    No entanto, entendo que teremos que resolver este assunto pela via do diálogo

    Carlos Antunes

    ResponderExcluir